Virtualização de hardware

Servidores controlam e armazenam todos os dados das nossas empresas. São o motor que impulsionam nossos sofisticados sistemas de informação de onde tiramos as valiosas informações e insights para tomar decisões e fazer a gestão do negócio. Mas, como todo hardware, podem falhar, e quando isso acontece as consequências podem ser dramáticas para a organização.

Por que uma infraestrutura virtualização de hardware é importante para minha organização?

Virtualizar hardware é criar uma camada entre o computador físico e o sistema operacional base dos sistemas e aplicativos e isso permite, por exemplo, a movimentação de um servidor para outro hardware com muito pouco (ou até nenhum) impacto para a produtividade dos usuários dos sistemas e aplicações. Outra possibilidade é replicar o servidor para um hardware em outro prédio, outra cidade, na nuvem, e isso garante a continuidade dos negócios em caso de um desastre. 

Utilizamos nossos 20 anos de experiencia para entregar para sua empresa a melhor infraestrutura de servidores, aquela que vai fornecer os recursos necessários para os sistemas funcionarem bem permitindo a tomada de decisões de negócio.

Solicite uma proposta!

Virtualização de hardware

A informática está em uma constante inovação. E isso inclui renovação também. A virtualização de hardware surgiu nos antigos mainframes, aqueles computadores gigantescos dos anos 1960, e foi esquecida com a substituição destas máquinas pelos microcomputadores nos anos 1980. Voltou em 2008 com força total, impulsionada pela necessidade de melhor aproveitamento e gerenciamento dos enormes recursos computacionais que a evolução dos microprocessadores nos trouxe.

Local e em nuvem

Quem prefere uma implantação local precisa investir em hardware, software e espaço adequado para ter sua própria infraestrutura de servidores consegue aproveitar mais esse investimento aplicando a virtualização como base para todos os sistemas da empresa. Isso é extremamente importante, pois computadores e seus equipamentos periféricos tem uma vida útil relativamente curta e usar cada processador, cada byte de armazenamento e cada recurso disponível é muito importante.

Por outro lado, quem precisa de servidores para seus sistemas, mas não quer investir em uma implantação local, a nuvem é a resposta. Computação em nuvem, como é conhecida, nada mais é do que utilizar uma infraestrutura de virtualização de hardware de um terceiro para implantar seus próprios servidores e pagar somente o quanto utiliza. Invertendo a lógica da implantação local, onde é preciso aproveitar ao máximo a abundância de recursos investidos, na implantação em nuvem procuramos racionalizar o consumo de recursos para fazer com que nossos sistemas funcionem com o desempenho desejado e manter as despesas dentro do orçamento.

Alta disponibilidade e desempenho

Apesar de utilizarmos equipamentos projetados para ficarem ligados todo o tempo e com redundância em alguns componentes, como fonte de alimentação e unidades de armazenamento, isso não garante total imunidade a falhas ou necessidades de manutenção que deixam os sistemas e aplicativos indisponíveis por algum tempo.

Projetar e implantar uma infraestrutura que nos permita reduzir a dependência de equipamentos específicos significa um ganho de disponibilidade, uma vez que podemos mover as aplicações entre servidores e reduzir o tempo de parada, planejada ou não.